Com muita energia liberada em explosões de empatia, a banda Kilotones, em parceria com o grupo de barbudos solidários da Bearded Villains Brasil (BV), vai realizar uma live beneficente em prol do Hospital de Câncer de Ribeirão Preto. O show vai rolar no dia mundial do rock, 13 de julho (segunda-feira), a partir das 20h, no Complexo 777 (barbearia, oficina especializada em motos custom, oficina de restauração de carros clássicos e revendedores HD), com transmissão ao vivo pelo canal oficial da banda no YouTube:  (www.youtube.com/Kilotonesoficial).

 

 

Durante a pandemia do novo Coronavírus (COVID-19), a quantidade de doações para o Hospital de Câncer de Ribeirão Preto diminuiu consideravelmente, e seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), a instituição cancelou todos os eventos em que arrecadaria fundos para manter o tratamento oncológico dos pacientes.

“É um momento difícil, não só para nós como para outras instituições beneficentes, fundações, organizações, e por isso precisamos dessa ajuda. Essa live da Kilotones e da Bearded Villains Brasil, esse apoio que estamos recebendo vem em um ótimo momento.”, afirma a presidente do Hospital de Câncer de Ribeirão Preto, Rose Marques.

 

Guitarrista da Kilotones, o músico JP Barrionovo, fala sobre o histórico da banda e da relação com entidades beneficentes. “A Kilotones já tem uma mensagem nas músicas de empatia, de superação, de união, e sempre fizemos ações em prol de instituições para que realmente a gente não fique só no discurso. Já fizemos ações anteriores em prol do hospital, com um recurso de um show eles conseguiram terminar o Centro Cirúrgico. A importância dessa ajuda é simplesmente poder contribuir para que uma instituição que só faz o bem para outras pessoas possa continuar seu trabalho, e é muito gratificante para nós unir forças com a BV, pra fazer o bem para o próximo”.

 

A irmandade de barbudos, Bearded Villains Brasil, vai comemorar seus cinco anos de existência durante a live e o presente desses membros é a ação social em prol do Hospital de Câncer de Ribeirão Preto. “Nós sempre realizamos uma festa de aniversário e uma ação social para celebrar, mas infelizmente esse ano não foi possível, então quando o JP nos convidou para participar desse projeto, entramos com tudo. Nosso lema é família, lealdade e caridade, então esse ano vamos nos conectar em prol de uma boa causa, vai ser uma grande festa, cada irmão da sua casa podendo celebrar com outro irmão, conectados através da live em prol do Hospital de câncer de Ribeirão Preto”, finaliza o capitão da Bearded Villains Brasil, Reges Vasconcelos.

 

 

Hospital de Câncer de Ribeirão de Preto é uma fundação de direito privado, sem fins lucrativos que realiza pesquisa, diagnóstico e tratamento de pacientes diagnosticados com câncer de mama, câncer de colo de útero e câncer de próstata, desde 1994. Mais informações sobre a instituição podem ser obtidas através do número (16) 3878-9700, ou pelas redes sociais, no Facebook através da página: www.facebook.com/hospitaldecancerribeirao/ ou no Instagram pelo perfil @hospitaldecancerribeirao. A sede da fundação está localizada na Rua Octávio Martins Braga, nº 50 no bairro Residencial Flórida.

 

A instituição também mantém uma vaquinha virtual pela plataforma “Vakinha Online” para arrecadações. As contribuições podem ser feitas através do site, pelo link: http://vaka.me/982143. A doação mínima é de R$ 25 e o doador pode optar por boleto ou cartão de débito ou crédito. 

Será possível também compartilhar a experiência nas próprias redes pelos stories durante a transmissão do evento neste sábado, dia 20

 

 

Além de curtir 8 horas com shows de rock e seus subgêneros o festival virtual "João Rock e Você" apresenta mais um modo de interatividade para o público. No próximo dia 20 de junho, por meio de um filtro especial para o stories no Instagram será possível ser a estrela principal da apresentação, em um ambiente de festival, com direito a efeitos de luz na tela do próprio celular.

O evento virtual, que reunirá Alceu Valença, Poesia Acústica, Humberto Gessinger, Marcelo D2, Raimundos e CPM22, acontece a partir das 16h, com transmissão pelo canal oficial no Youtube.

 


De acordo com os organizadores, o filtro remete o usuário a uma estrutura de palco com caixa de som e iluminação em quatro opções - Palco Sala, Palco Sacada, Palco Quarto e Palco Quintal - que colocará a imagem do usuário em evidência. Para aumentar a experiência e interação, as caixas de som e as nuvens se movimentam conforme as batidas da música que a pessoa estiver escutando durante a transmissão do "João Rock e Você", ou em qualquer outro momento. Nas versões em vídeo, ao cantar a música, as luzes que compõem a estrutura do palco também se movem e iluminam o "artista" com feixes de luz.

O filtro já está disponível para uso e pode ser encontrado no perfil @festivaljoaorock.

Festival Virtual "João Rock e Você"
Atrações: Alceu Valença, Poesia Acústica, Humberto Gessinger, Marcelo D2, Raimundos e CPM22
Quando: sábado (20/06), a partir das 16 horas
Onde: No canal do Youtube, www.joaorock.com.br/voce e pelas rádios 89 FM (São Paulo e Goiânia) e Rádio Cidade (Rio de Janeiro)

Agenda diversificada tem início com uma live que promete agradar os internautas de carteirinha com o instapoeta brasileiro Zack Magiezi e segue durante a semana valorizando os talentos regionais. A programação reúne poesia, oficina de cordel, histórias sobre a cidade e termina no sábado (20), com o encontro mensal do Clube do Livro

 

No próximo dia 19 de junho, a cidade de Ribeirão Preto comemora 164 anos e como forma de celebrar o aniversário, a Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto preparou uma programação especial para a agenda semanal do projeto 40tena Cultural que vai desta terça (16) a sábado (20). Todas as atividades são gratuitas e serão oferecidas pela internet, respeitando todos critérios de distanciamento e isolamento sociais da pandemia de Coronavírus (covid-19).

 

Na terça-feira (16), o poeta brasileiro Zack Magiezi abre a semana com uma live no Instagram da Fundação (@fundacaolivrorp), a partir das 19h, com mediação de Bettina Pedroso, do núcleo da Instituição. O autor, que explora situações cotidianas com poemas curtos e notas ao estilo das máquinas de datilografia, vai contar um pouco de sua experiência, trazer relatos sobre seu trabalho e repercussão na internet.

 

Magiezi tem mais de 1 milhão de seguidores e começou a escrever e divulgar poemas pelo Instagram no final de 2013. De lá para cá, sua produção se intensificou com várias ramificações, projetos culturais e um livro autoral. “À princípio no meio de 2013, eu tinha começado a publicar pelo Facebook. Criei uma página anônima que chamava Estranherismo (nome do meu primeiro livro) e comecei a colocar meu trabalho ali. Depois, naturalmente houve uma migração para o Instagram, na medida em que o canal se tornou uma rede de mais fácil acesso”, conta o poeta.

 

Foi então que ele sentiu a necessidade de adaptar-se. A transformação na sua obra impactou ainda mais os leitores pela forma visual dos poemas. “Essa é uma rede social mais focada no apelo das imagens. Então, comecei a fazer textos datilografados e até hoje continuo com esse mesmo sistema”.

 

A valorização da antiga máquina de escrever numa mídia social como o Instagram chega a ser um contraponto na visão do poeta. “Engraçado que gerou esse paradoxo de ter a máquina de escrever num lugar tão novo, tão rápido. E foi assim que eu comecei a minha ideia de espalhar os textos”, conta.

 

Magiezi sempre escreveu como hobby e diz que sua carreira como poeta foi acidental. Antes, era administrador e nunca tinha pensado na trajetória profissional literária. Sua produção foi ganhando espaço na internet, conforme também percebeu o poder das redes sociais, a força do compartilhamento gerando resultados expressivos. Com o tempo, formou sua rede de leitores. “Teve um dia que foi emblemático: apareceram 10 mil novas pessoas ali no meu perfil. Eu acho que alguém famoso deve ter compartilhado e foi assim que aconteceu”, lembra.

 

Hoje, Zack Magiezi administra seu perfil profissional sempre trazendo produções inusitadas, o que também atrai um público diversificado e constante na página, que na opinião dele, “tornou-se algo como um livro aberto, uma obra aberta de poemas”, destaca. Além do seu perfil, o poeta atua com um grupo - uma espécie de coletivo: ele e mais dois escritores e uma escritora. Juntos trocam ideias, o que acaba influenciando nas produções que desenvolve individualmente.

 

Durante a pandemia, o poeta conta que “tem ficado muito produtivo por causa desse encarceramento voluntário”, principalmente porque pode trabalhar em casa. Deste processo criativo, já finalizou um novo livro e começa a pensar em novos projetos. 

 

Mais destaques da agenda

Na sexta-feira (19), aniversário da cidade, às 10h, o professor e fanzineiro, Arnaldo Junior  e o escritor e professor Marcio Fabiano  ministram uma oficina de cordel sobre Ribeirão Preto. A transmissão será feita pela plataforma de reuniões ZOOM. O link está disponibilizado na BIO do Instagram da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto: https://us02web.zoom.us/j/82861940667 .

Ao final da tarde, às 17h, a criadora do canal “O Centro é Legal”, Débora Cavalcante, e Rafael Cardoso, também estarão no Instagram da Fundação para um bate-papo durante a live sobre o sentimento de pertencer a Ribeirão Preto. Para encerrar as celebrações, às 19h, Adriana Silva, Gilberto Abreu e Lilian Rosa se reúnem para contar histórias sobre Ribeirão Preto. A atividade também acontece via conexão ao aplicativo ZOOM. Para participar é preciso acessar o link disponível na BIO do Instagram: https://us02web.zoom.us/j/83623588538#success.

Já no sábado (20), às 16h, a bibliotecária e coordenadora do Clube do Livro, Gabriela Pedrão irá mediar o tradicional encontro do grupo.  A obra escolhida para o mês de junho é “A Metamorfose”, de Franz Kafta. O livro narra um momento da vida de um caixeiro viajante, chamado de Gregor Samsa, que abandona suas vontades e desejos para sustentar a família e pagar a dívida dos pais. Os interessados em participar deverão acessar o link que está disponibilizado para a plataforma de reuniões ZOOM, no Instagram da Fundação : https://us02web.zoom.us/j/87145201256 .

 

O projeto

40tena Cultural tem a proposta de incentivar as pessoas a ficarem em casa em função do isolamento social decretado nas últimas semanas em combate ao coronavírus (covid-19) e conta com uma agenda semanal com atividades que vão desde lives (vídeos ao vivo em plataformas streaming) com artistas e convidados até contações de histórias para crianças, show, dicas e discussões de livros, entre outras ações.  A agenda de programação do 40tena Cultural está sendo divulgada semanalmente nas redes sociais da Fundação.

Instagram (@fundacaolivrorp)

Facebook (facebook.com/FundacaodoLivroeLeituraRP)

Linkedin (fundacaolivrorp),

Twitter (@FundacaoLivroRP)

Youtube (FeiraDoLivroRibeirao)

Site www.fundacaodolivroeleiturarp.com


Sobre a Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto

A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, que foi criada em 2004 inicialmente para realizar a Feira Nacional do Livro da cidade. Com o tempo, a Fundação ganhou experiência e, atualmente, além da Feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura com calendário de atividade durante todo o ano. A entidade se mantém a partir do apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos privados e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do Proac.

12 jun/20

TIM é uma das patrocinadoras da 1ª Parada Virtual do Orgulho LGBT. A #ParadaSPaoVivo acontece neste domingo (14), mesma data do tradicional evento na Avenida Paulista, adiado para novembro por conta da pandemia de Covid-19.

 

 

A iniciativa abre uma série de ações programadas pela operadora para o mês de junho. O objetivo é celebrar o Dia do Orgulho LGBTI+ (28/06) e reforçar seu posicionamento de valorização e apoio à diversidade para construção de uma sociedade cada vez mais inclusiva.

O mote da campanha da TIM será #OrgulhoConecta e a empresa incentivará o diálogo nas suas redes sociais e canais internos para que mais pessoas conheçam, entendam e combatam a LGBTfobia. Para marcar a ocasião, a operadora coloriu a sua marca: as cores do arco-íris estão no seu logo em diversos canais até o fim do mês.

 

 

 A #ParadaSPaoVivo terá duração de oito horas, das 14h às 22h. Será transmitida simultaneamente em doze canais do Youtube e conta com a presença de criadores de conteúdo e artistas como convidados especiais. É o segundo evento LGBTI+ com participação da TIM em 2020. Em janeiro, a operadora realizou o Verão TIM, com shows na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro. Um dos dias do festival foi dedicado à celebração da diversidade, com show de Gloria Groove e Johnny Hooker.

 

Nesta sexta-feira (5/6), às 17 horas, projeto cultural traz um debate com Amara Moira e DaCota Monteiro durante live no Instagram da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto. O encontro é aberto e gratuito a interessados em literatura, cultura e artes

 

 

A agenda semanal do 40tena Cultural, projeto online que incentiva atividades culturais e interativas promovido pela Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto, apresenta nesta sexta-feira (5/6), às 17 horas, uma live  sobre literatura LGBTQIA+, com a escritora Amara Moira e a youtuber DaCota Monteiro. O encontro online acontece ao vivo pelo Instagram da Fundação (@fundacaolivrorp).

 

 

Amara Moira é professora, feminista, travesti, doutora em crítica literária pela Unicamp e colunista do Mídia Ninja. No ano passado, participou da 19º edição da Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto e deixou sua voz registrada durante o Salão de Ideias, no auditório Meira Junior lotado com um público que veio ouvir e debater sua ideologia e pensamentos. DaCota Monteiro é designer, drag queen performer e tem um canal no YouTube (dacotamonteiro) com mais de 25,4 mil inscritos. Juntas, irão abordar a literatura LGBTQIA+.

 

Tribunal Literário

A agenda do 40ntena Cultural desta semana começou nesta terça-feira (2/6) com o lançamento do Tribunal Literário, realizado ao vivo, pela plataforma Zoom e também transmitido pelo canal da Fundação no Youtube. A atividade, que tem o objetivo de incentivar a leitura, funciona como um julgamento de personagens dos clássicos da literatura.

Nesta primeira edição, a personagem julgada foi Maria Capitolina Santiago, a famosa Capitu, da obra ‘Dom Casmurro’, do escritor Machado de Assis, publicado em 1899. A atividade, coordenada pelo professor de Literatura e Língua Portuguesa e coordenador do Curso de Letras na Centro Universitário Barão de Mauá, André Alselmi, contou com a colaboração de Elaine Christina Mota e Melissa Velludo, que atuaram como advogadas de defesa de Capitu e Bentinho (Bento de Albuquerque Santiago), respectivamente. Mais de 100 pessoas participaram da atividade que puderam, inclusive, votar: defendendo ou julgando Capitu por infidelidade ao marido. Ao final, Capitu foi absolvida e não foi julgada com infiel ao marido, com mais de 80% dos votos da plateia online. O Tribunal Literário será realizado uma vez por mês dentro do 40ntena Cultural, sempre abordando um livro diferente.

 

O projeto
40tena Cultural tem a proposta de incentivar as pessoas a ficarem em casa em função do isolamento e distanciamento sociais decretado nas últimas semanas em combate ao coronavírus (covid-19) e conta com uma agenda semanal com atividades que vão desde lives (vídeos ao vivo em plataformas streaming) com artistas e convidados até contações de histórias para crianças, show, dicas e discussões de livros, entre outras ações.  A agenda de programação do 40tena Cultural está sendo divulgada semanalmente nas redes sociais da Fundação:

Instagram (@fundacaolivrorp)

Facebook (facebook.com/FundacaodoLivroeLeituraRP)

Linkedin (fundacaolivrorp),

Twitter (@FundacaoLivroRP)

Youtube (FeiraDoLivroRibeirao)

Site www.fundacaodolivroeleiturarp.com


Sobre a Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto

A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, que foi criada em 2004 inicialmente para realizar a Feira Nacional do Livro da cidade. Com o tempo, a Fundação ganhou experiência e, atualmente, além da Feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura com calendário de atividade durante todo o ano. A entidade se mantém a partir do apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos privados e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do Proac.

 

Atividade faz parte da programação da 40tena cultural da Fundação do Livro e Leitura. Encontro ao vivo com o autor acontece na próxima terça-feira (26), a partir das 18h, pelo Instagram da entidade, de forma aberta e gratuita

 

 

No próximo dia 26 de maio (terça-feira), a partir das 18h, a Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto apresenta uma live bem esperada pelo público da FIL (Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto) com Mario Sergio Cortella. O filósofo, professor e escritor vai abordar o tema “Família, Educação e Escola”. O encontro online terá mediação de Adriana Silva, vice-presidente da entidade e curadora da FIL e será transmitida ao vivo pelo Instragram: @fundacaolivrorp.

Um dos nomes mais conhecidos da filosofia e da educação no país, Cortella  tem uma legião de fãs de todas as faixas etárias, principalmente por sua habilidade de contar diversas histórias e compartilhar ideias durante suas palestras e conferências, que são também retratadas no seu espaço de produção online, o Canal do Cortella. Prova disso é que, a cada vinda do professor a Ribeirão Preto, o tradicional quarteirão paulista, onde está instalado o Theatro Pedro II, é  tomado por filas com a população à espera do autor.

 

O filósofo é também um dos palestrantes mais aclamados pelo público da FIL que, neste ano ganhou abrangência internacional com novo posicionamento anunciado no final do ano passado. A feira está prevista para ser realizada de 11 a 20 de setembro e traz o tema “20 anos depois e, agora?”.

Segundo Cortella, muitas famílias ainda confundem escolarização com educação. “É preciso lembrar que a escolarização é apenas uma parte da educação. Educar é tarefa da família”, explica.

 

Participação na Feira do Livro

O filósofo já esteve em seis edições da feira entre os anos de 2010 a 2018, sempre como destaque da programação. Em 2016 foi homenageado como autor educação. Em sua última conferência no ano de 2018, ele começou sua abordagem citando o poeta britânico Alexander Pope com a frase: “As pessoas nunca sabem nada porque entendem tudo depressa”. Reflexões como essa sobre educação e livros são constantes nos debates que propõe, além de um vasto repertório.  Segundo ele, “uma das possibilidades que o livro nos traz é de escavar as camadas do conhecimento”.

Mario Sergio Cortella possui mais de 8 milhões de seguidores nas redes sociais. É autor de mais de 50 livros, dentre eles, diversos best sellers como “Qual É A Tua Obra?”, “Porque Fazemos O Que Fazemos?” e “A Sorte Segue a Coragem”. Também é Top Voice Influencer no Linkedin, colunista da rádio CBN e comentarista do Jornal da Cultura.

Para a presidente da Fundação do Livro e Leitura, Dulce Neves, a expectativa da equipe de programação da FIL e do projeto 40tena cultural, é ouvir a opinião do filósofo sobre os novos desafios da educação e, “saber como ele avalia o momento atual em que pais estão lidando com a realidade de estarem mais próximos do processo de escolarização dos filhos, acompanhando aulas e os projetos online dentro de casa e, ao mesmo tempo, tendo que trabalhar e cuidar de todo o resto da família”.

Para a curadora da FIL e vice-presidente da Fundação, Adriana Silva, Cortella é uma voz muito expressiva para este momento de distanciamento e isolamento sociais provocados por conta da pandemia de covid-19.  “Neste cenário de incertezas tão duradouras temos que ter como foco a necessidade de seguirmos o debate sobre o papel social de todos nós. É uma grande oportunidade de fazermos isso junto a Mario Sergio Cortella, um filósofo que trata de temas sempre envolventes”, conclui.

 

Mais informações 

Sobre Mario Sergio Cortella

Nascido em Londrina/PR (1954), Mario Sergio Cortella é filósofo e professor doutor em educação, já tendo atuado como docente da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). É mestre e doutor em Educação, professor-convidado da Fundação Dom Cabral desde 1997.

Foi Secretário Municipal de Educação de São Paulo (1991-1992); escritor e conferencista, tem presença constante na mídia como âncora, debatedor e comentarista.

Sobre Adriana Silva

Educomunicadora, vice-presidente da Fundação do Livro e Leitura e curadora das edições da FIL (Entre os anos de 2014 e 2020).

 

40tena Cultural 

O projeto conta com uma agenda semanal com atividades que vão desde lives (vídeos ao vivo em plataformas streaming) com artistas e convidados até contações de histórias para crianças, show, dicas e discussões de livros, entre outras ações.  A agenda de programação do 40tena Cultural está sendo divulgada semanalmente pelas redes sociais da Fundação:

Instagram (@fundacaolivrorp)

Facebook (facebook.com/FundacaodoLivroeLeituraRP)

Linkedin (fundacaolivrorp),

Twitter (@FundacaoLivroRP)

Youtube (FeiraDoLivroRibeirao)

Site: www.fundacaodolivroeleiturarp.com

 

SERVIÇO
40tena Cultural

Dia: 26/05 (terça-feira)

O que : Live “Família, Educação e Escola” com professor Mario Sergio Cortella

Onde: Transmissão pelo Instagram @fundacaolivrorp (Instagram da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto)

Horário: 18h

Obs. A participação é ao vivo e gratuita

16 mai/20

Durante a apresentação, que tem início a partir das 17 horas, banda fará arrecadações para as ONGS Hamburgada do Bem e Por1Sorriso, entidades já tradicionais no trabalho de atendimento social

 

Neste sábado (16), a partir das 17h,  o Playnil apresenta a Live ¨Nostalgia¨ pelas plataformas digitais do Facebook e Youtube. A banda comemora 10 anos da formação original com o show projetado direto da casa de dois dos músicos que, são irmãos, vivem hoje em São Paulo, mas estão cumprindo parte da quarentena em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, cidade natal de todos integrantes da banda.

 

A proposta de fazer uma live com mais de três horas de duração surgiu da vontade dos músicos de estarem mais próximos, já que todos mantêm uma grande amizade mesmo morando atualmente em cidades diferentes. Outro motivo foi a saudade de reencontrar os fãs, mesmo que pela internet. Para isso, estão preparando várias ações interativas com o público conquistado ao longo de 10 anos de história.

 

Para os integrantes, que começaram o PlayVinil no auge da adolescência, encontrar com os fãs neste momento em isolamento ou distanciamento sociais é uma forma de reviver a nostalgia dos palcos e do contato com o público – só que desta vez num reencontro online, diante de todo o novo cenário virtual que se configura, bem como a troca imediata que as redes sociais permitem, sem considerar as fronteiras.

 

O grupo preparou um repertório com músicas autorais que marcaram sua trajetória, além de hits de ícones do pop rock que são suas principais influências como as de Maroon 5, Coldplay, Bruno Mars, Cazuza, John Mayer e Djavan, entre tantos outros sucessos. A live  também defende uma ação social para arrecadar fundos e doações para os projetos Hamburgada do Bem e Por1Sorriso, através do PagSeguro  pelo link: https://pag.ae/7W1kFg2hR.

 

O vocalista da banda Pedro Grili diz que a quarentena tem transformado a vida de todos e, neste contexto, a arte tornou-se muito importante – tanto para os artistas, como para o público. Para ele, lives como a deles têm sido muito importantes para garantir a sobrevivência e a sanidade mental das pessoas e ressalta: “elas tem sido fonte de renda para muitos artistas que passam por dificuldades neste momento”.

 

A decisão de produzir um novo show surgiu durante a quarentena, pois os cinco integrantes encontraram na produção musical uma forma de garantirem o equilíbrio emocional que precisaram nos primeiros momentos do distanciamento social previsto por decretos governamentais. A ideia evoluiu e além do apelo social para ONGs de alcance nacional, a banda vai lançar um DVD para selar o reencontro histórico.

 

Cada música que definiram para o repertório, cada doação que já coletaram com a campanha de doações, o apoio de parceiros. Tudo tem tido um significado expressivo para  eles, que estão sem tocar em grandes projetos há três anos, por conta da entrada deles na universidade e das escolhas profissionais que fizeram. “Mas como a música está em nosso DNA, decidimos celebrar a nossa história”, conta o vocalista Pedro Grili. Para ele que hoje é universitário e empresário, a música é parte do cotidiano, independente da quarentena.

 

“Estamos sempre tocando, compondo e expressando nossas emoções”, complementa o baterista Victor Grili, também publicitário e empresário. Ele ainda ressalta que sente saudade do palco, mas que, desta vez, a live vai conectá-los com as pessoas de uma forma diferente.

 

O contrabaixista Davi Lima, hoje estudante de Engenharia de Materiais, explica que a banda irá tocar e conversar ao vivo, relembrando a história, influências e músicas do Playvinil. “Nada terá nada de acústico. Será a banda completa com os instrumentos plugados”, explica.

 

A montagem desta live show contou com apenas um ensaio geral ao vivo  com toda a banda no mesmo local em que acontecerá a live e ainda em momentos de trocas entre os músicos – pela internet e  em alguns poucos ensaios presenciais.

 

Felipe Ribeiro, hoje dentista, comenta que em tempos de covid-19, o que foi prioridade para os músicos, que estão na faixa dos 20 e poucos anos, foi realizar a live com a segurança necessária para não colocar em risco a saúde  de nenhum dos integrantes, nem de seus familiares. “Teremos uma pequena equipe de apoio nos bastidores, apenas para fazer o som acontecer e captar imagens para o DVD”.

 

Toda a montagem do show, tem respeitado as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde), como o devido distanciamento e isolamento sociais indicados pelos decretos e decisões para incentivar as pessoas a ficarem em casa durante a  quarentena. Sobre as mudanças ocorridas entre os integrantes e músicas da banda, Pedro Grili comenta que nestes 10 anos, muita coisa mudou. “Cada um evoluiu no seu caminho profissional e pessoal. Porém, o prazer de tocarmos juntos continua o mesmo”, acrescenta Victor.

 

Ação social

Com caráter beneficente, durante o show, o espaço estará aberto para doações que terão finalidades diferentes: para a Hamburgada, os valores se transformam em novos instrumentos que serão comprados com descontos na loja Guitar Music Shop e doados para o espaço “Estrelas do Rock”, um espaço  que funciona durante o evento Hamburgada do Bem, as crianças podem ter seu primeiro contato com algum instrumento musical. Já as doações para a Por1Sorriso serão revertidas em cestas básicas para as comunidades carentes. A cada 10 cestas, o supermercado Mialich vai doar mais duas”, explica o musico e hoje jornalista, Ezio Jemma.

 

Sobre o PlayVinil

A banda está na estrada desde 2008, mas foi em 2010, que ganhou projeção por conta de shows. Em 2011, teve participação na Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto e lançou o primeiro CD. Depois vieram participações em projetos como Pelas Bandas de Ribeirão da Jovem Pan FM/Nova Digital, o que resultou na abertura de espaços para o seu trabalho em emissoras de  rádios como Diário FM (Ribeirão Preto), Intersom FM (São Carlos) e Clube FM (Rio Claro). Ao todo, mais de 150 municípios já curtem a banda, principalmente as cidades de Bebedouro, Barretos, Catanduva, Taquaritinga, São Carlos, Araraquara, Franca; principais cidades dos nordeste paulista e algumas cidades do Sul de Minas Gerais.

 

Além disso, o PlayVinil  registrou passagens em eventos como o Carnabeirão, Skol Folia, João Rock 2013 e 2015, Barretos 2012/2013, Jaguariúna Country Festival,  apresentações em São Paulo e mais recentemente fez o “Tributo 25 Anos sem Cazuza” no João Rock 2015 e no Pedro II, com casa cheia.

 

O grupo hoje já tem fãs de todas as idades e de várias localidades,. Para conferir o trabalho basta acessar as redes:

Facebook: www.facebook.com/playvinil

Instagram: www.instagram.com/playvinil/

Youtube:  www.youtube.com/channel/UCFrX8DUTPnwbGwhj3DRYihA

13 mai/20

Que tal curtir uma imersão na Cultura Pop e ainda estudar a linguagem cinematográfica dos últimos 100 anos? O Objetivo do curso CinePop é propor um estudo da linguagem cinematográfica a partir de um olhar sobre a cultura pop, promover uma divertida imersão sobre os produtos que as pessoas adoram e consomem no dia-a-dia.

O curso será ministrado pelo mestre Chris Goldenbaum propõe um estudo de linguagem cinematográfica a partir de um olhar sobre a cultura pop nos últimos 100 anos.

 

 

Em 6 encontros virtuais, será examinada a linguagem cinematográfica nos produtos que consomem e amam. Além de conhecer o nascimento da Broadway e da Hollywood dos anos 30, a TV dos anos 50 e as séries dos anos 70, passando pela TV paga dos anos 1980 e o consumo de notícias nos anos 1990, até a indústria da música nos anos 2000 e sua influência sobre as plataformas de streaming do século XXI.

 

A próxima turma terá início no dia 18 de maio, serão 6 encontros virtuais, com a interação direta de Chris Goldenbaum.

 

 

CinePop: A Cultura da Imagem - Online (AO VIVO).

 

O Instituto de Cinema é uma das mais reconhecidas escolas de cinema e audiovisual do país. São mais de 100 especialistas do mercado oferecendo 130 cursos diferentes para quem quer se profissionalizar ou aperfeiçoar seus conhecimentos em cinema e audiovisual. Além dos cursos, O InC realiza eventos gratuitos, não restritos a seus alunos.

 

Curso: CinePop Online AO VIVO – A Cultura da Imagem

 

Início: 18/05/2020

Duração: 6 encontros, Online AO VIVO       

Carga horária: 18 horas

Investimento: R$ 380,00 à vista, ou 2x de 190,00

Inscrições: https://institutodecinema.com.br/cursos

27 abr/20

Conheça e reconheça: Floresthá

postado por Anddre Mafra

 

Floresthá é compositora, cantora, palhaça, atriz e produtora cultural ribeirão-pretana, graduada em Artes Cênicas e técnica em Música. E com seu mais recente trabalho, a artista utiliza recursos da música eletrônica e da performance em uma estética contemporânea com referências à ancestralidade, mescladas às composições autorais em sua obra nomeada “Habitat”.

 

O contraponto entre o primário e o cotidiano é o ponto central do trabalho da compositora, que mistura música com performance cênica, poesia e crítica social, num encontro com o feminino. A artista já esteve em festivais como Sonora – Festival Internacional de Compositoras (edição São Carlos e Bauru), Urucum - Festival de Música Autoral de Uberaba, #1 Latina – Encontro de compositoras em Ribeirão Preto, 17º Sarau As Mina Tudo em São Paulo, Mulheres Ocupa no Theatro Pedro II, entre outros.

 

 

 

“Se eu te contar onde mora meu sagrado e o meu profano, meu ancestral - cotidiano, você me deixa cantar? Se eu te mostrar o que me tinge, me rasga e me afaga, você me deixa dançar? Ser selvagem também é ser britadeira, buraco de cidade e eco de cachoeira. Habitat é um convite a sentir o pulso de um coração semente que se descobre floresta.”

 

A artista recentemente se apresentou na Casa das Artes de Ribeirão Preto e junto ao Aloander Oliveira, Leandro Barcellos e Anddre Mafra no projeto Alpendre.zip tem projetado futuras novas circulações para a cena artística local.

 

As novidades e mais informações podem ser encontradas em suas redes sociais:

 

Facebook: https://www.facebook.com/floresthamusic/ 

Instagram: https://www.instagram.com/_florestha/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCWK6Po-LLt_urLw3_Or4P9Q

 

Contato: thaisforesto@hotmail.com

23 abr/20

Um senhor estagiário

postado por Juliana Sfair

Um senhor estagiário é um filme leve, protagonizado por Robert De Niro e Anne Hathaway.

 

 

Ben Whittaker (Robert De Niro), tem 70 anos, viúvo e está com tédio da sua vida de aposentado, enquanto isso, Jules Ostin (Anne Hathaway) é criadora e CEO de sua empresa de vendas online, a SOBMEDIDA.

 

A empresa cresceu muito nos últimos meses e criou um projeto de contratação de idosos como estagiários, com o objetivo possibilitar um meio para colocá-los de volta ao mercado de trabalho e proporcionar novas perspectivas para a sua vida pessoal e profissional. 

 

Um enredo que mostra as dificuldades e as delícias de adaptar-se à um ambiente de trabalho com pessoas jovens e o quanto as novas amizades podem mudar uma vida monótona.

 

É um filme que a cada cena traz consigo um aprendizado, uma emoção diferente.

Disponível no catálogo da Netflix.

26 mar/20

Neste ano, a Feira Internacional do Livro (FIL) contará com novo projeto: o Revolução Poética. Rodas de conversa, salões de ideias e até show musical tornarão evidente o papel central da poesia para aproximar os mais variados perfis entre o público. Atividade será aberta, gratuita e livre para todas as idades

 

Dia Mundial da Poesia, comemorado em 21 de março (sábado) foi lembrado pela Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto com uma ação interativa, através dos canais e redes sociais da entidade, com o pré-lançamento do Revolução Poética, projeto que fará parte do calendário de atividades da 20ª FIL (Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto), durante os dias 11 a 20 de setembro.

 

Segundo a diretoria da Fundação, a Feira, que completa duas décadas de existência, aproveita a importância histórica e amplia as propostas do evento, que antes era nacional e agora se expande e alcança novos autores e referências literárias no mundo todo.

 

O Revolução Poética é coordenado pelo poeta João Augusto, curador do projeto, e contará com salões de ideias, bate-papos, show musical e também com uma grande intervenção artística com mostra de poemas durante a Feira do Livro.

 

O objetivo da Fundação do Livro e Leitura, entidade realizadora da FIL, é, essencialmente, valorizar a poesia como linguagem que tem em si um profundo conhecimento da vida, englobando a racionalidade e a paixão, a loucura, o delírio, a realidade e os sonhos.

 

O projeto tem em sua base as ideias e reflexões do antropólogo, filósofo e sociólogo francês Edgar Morin, autor educação homenageado nesta edição da Feira. Para ele, a vida estaria dividida entre o estado prosaico, em que se encaixariam o trabalho, a rotina e as atividades frias e mecânicas; e o estado poético, de grande carga emocional, em que as artes são o cerne e o fim. “O estado poético nos coloca em contato com as mais bonitas emoções, com os sentimentos de paixão, de comunhão, com a beleza encoberta pela rotina, com nossos desejos e nos aproxima de nós mesmos”, complementa o curador do projeto.

 

Na poesia, e também nesta nova atividade da Feira, o público terá a chance de se conectar com a história em comum que compartilha com quem está ao seu redor. “O que queremos com o Revolução Poética é mostrar para todos – donas de casa, motoristas, vendedores, ambulantes, operários, médicos, professores, alunos, comerciantes, jovens, idosos – que existem muitas outras vidas escondidas nessa pequena amostra que enxergamos todos os dias”, explica João Augusto.

 

A curadora da 20ª Feira Internacional do Livro e Leitura de Ribeirão Preto (FIL) e idealizadora do projeto, Adriana Silva, comenta que o projeto coloca em evidência o poder da poesia, que segundo ela, nada mais é do que o poder da palavra crítica. “A poesia deixou de ser uma linguagem só melodiosa ou romântica. A poesia tem o poder de incitar a reflexão, de fazer com que as pessoas pensem sobre temas. É o verdadeiro poder da palavra, no caso, a palavra bonita”, explica.

 

 

Adriana explica que fazer o Revolução Poética, em homenagem ao Edgar Morin, é uma oportunidade de permitir que as pessoas entendam sua frase, quando diz: “todos os homens referindo-se à humanidade, aos seres humanos na sua forma mais ampla, necessitam de poesia”. “Trazer Edgar Morin, para o tema da FIL e pensar nele, debaixo de uma Revolução Poética, é a oportunidade de fazer reflexão”, destaca.

 

Para João Augusto, a poesia tem um papel central na forma sensível das pessoas olharem para a vida. Ele acredita que a poesia e as artes, em geral, estimulam seus amantes a se tornarem pessoas melhores, com maior autoconhecimento e maior entendimento das múltiplas visões que correm pelo mundo. “A Feira do Livro e o Revolução Poética querem mostrar que cada um de nós é um universo infinito de possibilidades”, afirma. Para isso, personalidades de diversas áreas foram escolhidas para tratar do tema. Falarão da escrita como tecido da vida, da apresentação de músicas baseadas em poemas, das múltiplas linguagens existentes, da razão e ‘desrazão’ em um mundo de aparências.

 

 

Experiência poética

O curador e coordenador do projeto, João Augusto, tem uma relação profunda com a literatura e a poesia – o que fica claro pela sua forma apaixonada de falar sobre o assunto. Desde pequeno, sentia uma necessidade de inventar, de criar para viver. “O mundo não era o bastante. A arte me apresentou a mim mesmo. Já escrevi conto, romance, teatro, cinema, mas foi a poesia que me deu o amor. Escrevo porque amo”, diz.

 

As inspirações literárias do poeta vêm de nomes como Fernando Pessoa, João Cabral de Melo Neto, Carlos Drummond de Andrade, Orides Fontela, Ferreira Gullar, Manoel de Barros, Rimbaud, TS Eliot, Baudelaire e da poesia na prosa de Clarice Lispector, mas também gosta muito de autores novos. Entre suas obras, estão os livros de poesia “Que diabo de poeta és tu?”, “Sem a sombra de um guarda-chuva”, “Poesia de telhado”, “A verdade é a mais bela entre as falsas criaturas” e “A última estrela tropical”.

 

Não à toa, sempre acabou se envolvendo com a Feira do Livro. Desde a primeira edição, participou como leitor e foi então assumindo outras funções posteriormente: como autor, palestrante e debatedor. “O nascimento da Feira jogou um bocado de luz sobre nós”, declara. Hoje, a FIL é quase uma extensão de sua casa, como ele mesmo diz. “Me sinto mais perto do que considero um mundo ideal, quando estou ali. Todos são melhores quando carregam um livro. Onde há um leitor, há esperança”, conclui.


Sobre a 20ª Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto (FIL)

Em virtude da pandemia do coronavírus - COVID-19, e seguindo todos os protocolos da OMS (Organização Mundial de Saúde) e das autoridades brasileiras, em nível federal, estadual e municipal, a  Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto tomou a decisão de adiar a 20ª FIL (Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto) para ser realizada de  11 a 20 de setembro e acontecerá em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. 

 

A FIL estava agendada para ser realizada de 30 de maio a 7 de junho de 2020. A festa literária, que é considerada a segunda maior feira a céu aberto do país, vai manter seu formato original com realização compartilhada com parceiros e seleção de homenageados e também mantém o tema “20 anos depois e agora?". A medida de adiamento da data foi, expressamente adotada, visando que, a Fundação do Livro e Leitura, organizadora da Feira do Livro, juntamente com diversos parceiros, possa contribuir para que o avanço rápido da doença seja evitado entre toda a população brasileira.  

 

O autor homenageado será Mia Couto. O autor educação é Edgar Morin; a autora infantojuvenil é Semiramis Paterno; autor local, Carlos Roberto Ferriani, a professora homenageada (local), Elaine Assolini e o patrono Paulo Roberto Oliveira.

 

Sobre a Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto

A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, que foi criada em 2004 inicialmente para realizar a Feira Nacional do Livro da cidade. Com o tempo, a Fundação ganhou experiência e, atualmente, além da Feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura com calendário de atividade durante todo o ano. A entidade se mantém a partir do apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos privados e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do Proac.

19 fev/20

De 10 de abril a 03 de maio acontece   o Concurso Comida di Buteco,  que tem como missão “TRANSFORMAR VIDAS ATRAVÉS DA COZINHA DE RAIZ – BUTECO EXTENSÃO DE SUA CASA”

 

 

Chegando à sua maioridade, aos 21 anos de existência, o Comida di Buteco convida o público de todo o Brasil a conhecer as raízes dos “butecos” participantes. Sim, o tema escolhido para 2020 é RAÍZES!

 

Raízes, tanto com o sentido intrínseco das receitas como também da origem, princípio, cerne. São muitas opções de fácil acessibilidade e infinitas possibilidades de combinações. Batata, mandioquinha, beterraba, cenoura, são apenas alguns exemplos das várias opções que aguçaram a criatividade dos cozinheiros e que vão despertar a curiosidade do público.

 

Todos os butecos participantes desenvolveram as receitas dos petiscos 2020 contendo uma ou mais raízes e também terão o desafio de contar ao público sua história e origem. Também continua nessa edição, a tradição de oferecer petiscos a um preço justo e que permita aos “butequeiros” visitarem vários butecos no mesmo dia. Os petiscos 2020 terão um preço fixo de R$ 22,00.

 

Nossa raiz

O Comida di Buteco nasceu no ano 2000, na cidade de Belo Horizonte, como uma atividade da extinta Rádio Geraes hoje cobre todo o país,  sendo realizado simultaneamente em 21 praças e desde 2016 elege também  o MELHOR BUTECO DO BRASIL.

 

Ele é o primeiro concurso do gênero no país e tem os seguintes resultados no ano de 2019:

  • 21 cidades de Norte a Sul do País
  • 650 butecos
  • 000 votos
  • 000 petiscos vendidos
  • 500 empregos diretos gerados
  • 8 milhões de pessoas impactadas nos butecos
  • 30 milhões de alcance nas redes sociais

 

Sua mecânica

Elege-se o Melhor Buteco da cidade e não o melhor petisco!

Na primeira etapa , em cada uma das cidades participantes,  os  butecos  pré-selecionados apresentam os petiscos criados especialmente para a competição. O público e um corpo de jurados visita, vota e elege o campeão, avaliando  4 categorias (petisco, atendimento, higiene e temperatura da bebida) . O petisco  leva 70%  do peso da  nota e as demais categorias 10% cada uma. O voto do público vale 50% do peso total e dos jurados 50%.

Na segunda etapa, em junho, uma nova comissão de jurados, escolhida especificamente para esse momento, vai visitar os campeões de cada cidade avaliando sua performance nas mesmas 4 categorias (petisco, atendimento, temperatura da bebida e higiene). Cada campeão recebe 3 jurados ( um jurado da sua cidade e dois de outras cidades ). Elege-se aí o MELHOR  BUTECO DO BRASIL, que será conhecido e premiado no mês de Julho.

 

 

Um modelo de negócios transformador de vidas

 

A razão de existir, a missão do Comida di Buteco é TRANSFORMAR VIDAS ATRAVÉS DA COZINHA DE RAIZ – BUTECO EXTENSÃO DE SUA CASA. O concurso tem como perfil de participantes apenas os negócios familiares, não participando redes nem franquias. E todos os envolvidos participam de uma grande corrente do bem que abrange : o “buteco”,   que não paga para participar; as marcas patrocinadoras, como a fonte  financiadora; o poder público, que colhe os frutos da ampliação da atividade econômica do buteco - gera empregos,  impostos, turismo; e envolve  parceiros, mídia jornalismo, influenciadores e  finalmente, o público que visita e vota nos butecos ao longo de todo o mês do concurso. O concurso alavanca de forma poderosa toda a cadeia em que o buteco está inserido.

 

 

Sua mecânica

 

Elege-se o Melhor Buteco da cidade e não o melhor petisco!

Na primeira etapa , em cada uma das cidades,  os  butecos  pré-selecionados apresentam os petiscos criados especialmente para a competição. O público e um corpo de jurados visita, vota e elege o campeão, avaliando  4 categorias (petisco, atendimento, higiene e temperatura da bebida) . O petisco  leva 70%  do peso da  nota e as demais categorias 10% cada uma. O voto do público vale 50% do peso total e dos jurados 50%.

 

Na segunda etapa, em junho, uma comissão de jurados, escolhida especificamente para esse momento, vai visitar os campeões de cada cidade avaliando sua performance nas mesmas 4 categorias (petisco, atendimento, temperatura da bebida e higiene). Cada campeão recebe 3 jurados ( um jurado da sua cidade e dois de outras cidades ). Elege-se aí o MELHOR  BUTECO DO BRASIL, que será conhecido e premiado no mês de Julho.

No último domingo, dia 16 de fevereiro, a Bild Desenvolvimento Imobiliário realizou em Ribeirão Preto a 3º edição do Folia Jardim Olhos D’Água.

 

 

 

 

O evento gratuito, que deu início às comemorações carnavalescas, reuniu cerca de 800 pessoas, e foi animado pela banda Canto Kids, com muita música, brincadeiras e concurso de fantasia infantil.

 

 

 

 

 

A festa, que neste ano se tornou petfriendly, já virou tradição no bairro. Segundo Thiago Faraco, diretor da Bild em Ribeirão Preto, a ideia é que, a cada ano, novas pessoas participem da folia e levem seus filhos fantasiados para brincarem e se divertirem. “Proporcionamos um domingo de Carnaval com muita alegria para toda a família”.

Autora do best-seller 'Os Monólogos da Vagina' escreve, sob o ponto de vista de seu pai, - que a abusou na infância -, um comovente pedido de desculpas

 

 

De acordo com a pesquisa Datafolha de 2019, encomendada pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. Dessas, 76,4% foram abusadas por pessoas próximas ou parentes.  Além disso, dados do Anuário de Segurança Pública 2019, no Brasil, mostram que a cada 4 horas, uma menina é estuprada por seu pai, padrasto, tio, primo ou vizinho.

 

Este foi o caso também de Eve Ensler, escritora, dramaturga e ativista feminista norte-americana, que foi abusada por seu pai dos 5 aos 10 anos de idade. Eve passou as últimas duas décadas em viagens pelo mundo denunciando homens por abusos sexuais e violência contra mulheres. Mundialmente conhecida pela obra Os Monólogos da Vagina, decidiu dar voz a seu pai em seu novo livro O Pedido de Desculpas, lançamento da Editora Cultrix, selo do Grupo Editorial Pensamento.

 

Por meio de um texto sucinto e revelador, em uma carta franca, cujo narrador é seu próprio algoz, a autora traz um olhar libertador sobre o tema do abuso feminino, seja ele de ordem sexual, moral ou material. Eve ainda mostra, de forma original e comovente, como, pelas feridas criadas na infância, podemos ressurgir e nos reinventar.

“Se você, mulher, fosse vítima de violência sexual e pudesse ‘acertar as contas’ com seu abusador, o que diria a ele? E o que esperaria obter de resposta? Como podemos deixar a humilhação de lado e encontrar a libertação tão necessária para que tenhamos uma vida mais plena após tanta violência e abusos? ”.  É por meio de perguntas como essas que Eve constrói a narrativa de sua obra que, mais do que um acerto de contas, é uma maneira de compreender, dialogar com o ser humano poder se libertar do passado.

 

Em entrevista à BBC, a autora revelou que “Era invasivo, asqueroso, então comecei a ver como a estranha adoração, a obsessão de meu pai por mim começou a eclipsar todo o resto. A situação começou a mudar quando chegou uma noite em que me afastei dele, fingi que estava morta. Foi nesta noite que o abuso sexual acabou. Eu tinha dez anos”. Ela conta também que, já no início da idade adulta, constantemente escrevia cartas ao seu pai, pedindo desculpas.  “Ele me fazia me sentir culpada, mas também havia uma parte de mim que acreditava que se eu pedisse perdão o suficiente, ele faria o mesmo, e isso nunca aconteceu. E os homens precisam aprender a se desculpar. E nunca ouvi um homem que cometeu um estupro ou violência física se desculpar publicamente”.

 

“Esta carta é uma invocação, um chamamento. Tentei fazer com que meu pai conversasse comigo a seu modo. Embora eu tenha escrito as palavras que eu precisava ouvir dele, tive que abrir espaço para que ele falasse sob meu intermédio”, diz ela, na apresentação do livro, que apresenta o texto como uma maneira de exorcizar os fantasmas do passado causados pelos abusos.

 

Escritora best-seller publicada em 48 idiomas e dramaturga com peças interpretadas em mais de 140 países, Eve Ensler foi escolhida uma das “150 Mulheres que Mudaram o Mundo”, pela revista norte-americana Newsweek e uma das “100 Mulheres Mais Influentes”, segundo o jornal britânico The Guardian. Seu trabalho como ativista contra a violência de gênero ganha mais um capítulo com este livro, para que outras mulheres, vítimas de quaisquer tipos de abusos, possam se libertar do mal que sofreram de forma definitiva.

 

Elogios ao livro:

 

“Como só ela sabe fazer, Eve Ensler conta a história da traição máxima que um pai poderia perpetrar com candura imbatível e graça imensurável. ” –  Anita Hill

 

“Uma ferida e ao mesmo tempo um ato impressionante de perdão... Eve Ensler amplia de maneira inexorável nossa compreensão da experiência humana. ”  – Michael Cunningham

 

“Um passo crucial no processo do fim da violência contra mulheres e meninas. Trata-se de um livro de necessidade premente no momento atual. ” – Jane Fonda

 

“Um verdadeiro triunfo do talento literário e da empatia de Eve Ensler. Um livro como nenhum outro. Nenhuma mulher será mais a mesma depois de lê-lo. ”  – Naomi Klein

 

Sobre a autora:

 

 

Eve Ensler é dramaturga, escritora, atriz e ativista vencedora do Prêmio Tony. Escreveu o best-seller internacional Os Monólogos da Vagina, ganhador de um Obie, publicado em 48 idiomas e interpretado em mais de 140 países. É autora de muitas peças teatrais e livros, entres eles, I Am An Emotional Creaturebest-seller do New York Times. Há pouco, transformou seu altamente elogiado livro de memórias, In The Body of The World, em uma peça aclamada pela crítica no American Repertory Theater e no Manhattan Theatre Club. Sua peça Os Monólogos da Vagina deu origem ao V-Day (Dia da Vitória), movimento ativista global para acabar com a violência de gênero. Graças a produções beneficentes de seus trabalhos artísticos, o movimento V-Day levantou mais de 100 milhões de dólares e fundou mais de 13 mil comunidades orientadas por programas antiviolência e abrigos no mundo todo. Eve também fundou o One Billion Rising, maior campanha global de combate à violência contra mulheres e meninas. É cofundadora, com Christine Schuler Deschryver e o vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2018, dr. Denis Mukwege, da City of Joy, um centro revolucionário de tratamento para mulheres sobreviventes da violência na República Democrática do Congo. Foi escolhida uma das “150 Mulheres que Mudaram o Mundo”, da Newsweek, e uma das “100 Mulheres Mais Influentes” do The Guardian. Mora em Nova York, nos Estados Unidos.

 

Sobre o Grupo Editorial Pensamento:

Desde 1907, o Grupo Editorial Pensamento publica livros para um mundo em constante transformação e aposta em obras reflexivas e pioneiras. Na busca desse objetivo, construímos uma das maiores e mais tradicionais empresas editoriais do Brasil. Hoje, o Grupo é formado por quatro selos: Pensamento, Cultrix, Seoman e Jangada e possui em catálogo aproximadamente 2 mil títulos, publicando cerca de 80 lançamentos ao ano. Ao longo de sua trajetória, o Grupo Editorial Pensamento aposta em mensagens que procuram expandir o corpo, a mente e o espírito. Mensagens que emanam energia positiva e bem-estar. Mensagens que equilibram o ser. Mensagens que transformam o mundo. Mais que livros, inspiração!

 

***

 

Serviço:

Livro:  O Pedido de Desculpas

Autora: Eve Ensler

Tradução: Gilson César Cardoso de Sousa

Editora: Cultrix

Páginas: 128

Preço: R$ 32,90

 

 

No dia 16 de fevereiro, o Morro do São Bento, em Ribeirão Preto, recebe a 10 edição do Carnagay. A festa é organizada pela ONG Arco-íris e terá a apresentação de DJs e shows com Drag Queens.

Segundo a organização do evento, além da festividade, o evento também busca dar visibilidade à comunidade LGBT.

"Deveria ser apenas uma expressão de festividade e alegria, porém, a violência contra a comunidade LGBT+ cresce a cada dia, e o Carnagay de Ribeirão Preto é um evento importante para demarcar território e demonstrar visibilidade", informou a organização.

 

Carnagay Ribeirão Preto
Quando
: domingo, 16 de fevereiro, das 14h às 21h
Onde: Parque Municipal Morro do São Bento
Quanto: gratuito