31 jul/14

"Não existe mais quintal. Não como antigamente. As pessoas faziam questão de ter um bom quintal em casa, se reuniam ali...Vejo cada vez menos isso. É raro. Eu tinha um quintal na minha infância, que ainda existe, na casa de minha mãe." 
É com uma saudade interiorana que Maria Bethânia explica o título de seu recém-lançado "Meus Quintais", o 51º da cantora. 

O repertório viaja num Brasil rural. Um Brasil caboclo, cancioneiro, indígena. Em suas treze canções, o toque baiano é evidenciado em alguns momentos, e ocultado em outros, mas sempre funcionando como um aditivo de realimentação às raízes folclóricas contidas no álbum.
Sem grandes ornamentos orquestrais, a voz , irretocável como é de se esperar, se mostra como ingrediente principal do álbum, que ainda presenteia seus ouvintes com a inserção de um texto de Clarice Lispector na faixa "Iara" (inédita de Adriana Calcanhoto).


Maria Bethânia surgiu para o público como apenas e exclusivamente uma voz. Cantou para um teatro lotado, na Bahia, atrás das cortinas, no início de uma peça teatral . O público se impressionava a cada sessão com a voz daquela garota desconhecida. O espetáculo começava com uma força ímpar, associado àquela voz da menina de 17 anos. O sucesso, imediato e perene, sempre esteve associado com seu timbre, sua potência vocal, sua noção de divisão, enfim...sua voz peculiar. A preocupação com a imagem, que engessa tantos artistas atuais, nunca foi preocupação para a cantora. Sua voz basta.

Trata-se de um elo voz-pessoa. É indissociável.
Que venham sempre mais frutos dos quintais de Maria Bethânia.



Diogo Branco é apaixonado por música.
Ah, e farofeiro também.
diogo branco

30 jul/14

No último sábado (26), o Farofa Cultural comemorou seus 6 meses de existência num dos melhores bares da cidade:  Botequim Ribeirão.
Os "farofeiros" ( como são chamados os membros do site ) puderam curtir a noite desfrutando do conforto e requinte que o ambiente proporcionou.
É claro que registramos muitos desses momentos para vocês:

O convidativo cardápio repleto de deliciosos pratos e bebidas sendo segurado pelas mãos dos amigos Diogo Branco (músico e idealizador do Farofa), e Cristiane Framartino Bezerra ( escritora, professora, produtora cultural).

Os farofeiros prontos para mais um encontro cheio de risadas e aprendizado,

O bar conta com uma bela estrutura com dois andares. O capricho e o bom gosto estão presentes em cada detalhe da decoração.
Quanto ao atendimento, não há do que reclamar: Os garçons são muito atenciosos com todos os clientes.

Quanto à comida, deixamos aqui nossa sugestão:

A porção de pastéis recheados foi aprovada por todos os farofeiros. Sequinho, muito recheado e saboroso.
Realmente, a porção é de dar água na boca. Vale a pena experimentar !

Num ambiente interno (e extremamente adequado para dias frios), a equipe do Farofa se sentiu em casa!


Os amigos Mateus Barbassa ( ator e diretor teatral ) e Juliana Sfair ( atriz, escritora ).

Luciano recebendo o Farofa no Botequim Ribeirão !


Carol Piscitelli, repórter do quadro "Farofando por Aí" e Diogo Branco


Se você quer conhecer um bar que alia conforto e sofisticação com um exemplar atendimento e preço bom, o Botequim Ribeirão se torna uma ótima opção.Nós, do Farofa Cultural, deixamos aqui nossa recomendação: Vale a pena conhecer o Botequim Ribeirão.


BOTEQUIM RIBEIRÃO
Av. Senador César Vergueiro, 984 - Jd. São Luiz
Telefone: (16) 3234-0248

26 jul/14

Botequim Ribeirão e Farofa Cultural!

postado por Diogo Branco

Estamos em festa !!!
No mês em que o Farofa comemora seis meses de existência, muitos presentes estão chegando!
Um dos presentes que recebemos é uma nova parceria com um maravilhoso restaurante de Ribeirão Preto!
Agora os farofeiros tem um novo local para suas reuniões e confraternizações!!!


O Botequim Ribeirão, famoso pelo seu bom atendimento e excelente qualidade de seus produtos aliados a um ambiente extremamente agradável e sofisticado, agora firma uma parceria com o nosso site.  
Conheça este incrível restaurante você também!!!

BOTEQUIM RIBEIRÃO 
Avenida Senador César Vergueiro, 984 - Jd. São Luiz
Telefone: (16) 3234-0248


24 jul/14

"Império" impressiona com trilha sonora

postado por Diogo Branco



Bastou tocar "Lucy in The Sky With Diamonds" na abertura da novela "Império", para meus ouvidos se sentirem presenteados. Depois de uma repetitiva sequência de MPB em aberturas de novelas, finalmente surgiu algo novo (especialmente depois de ouvir diariamente com a novela antecessora Ana Carolina retratando tramas óbvias da típica novela carioca "Em Família" ). Já fui muito noveleiro. Já cheguei ao ponto de adiar compromissos e cancelar reuniões pra assistir a Carminha, brilhantemente representada por Adriana Esteves em "Avenida Brasil". O tempo passou, me afastei das novelas, mas continuo ligado em suas trilhas sonoras. Não é novidade: Grandes sucessos televisivos sempre estão aliados a emblemáticas canções. Inclusive algumas delas só são sucessos até hoje graças aos noveleiros de plantão.

Músicos se tornam reconhecidos através do alcance proveniente do poder televisivo. Tome como base a cantora Vanessa Rangel. Famosa pela sua única e suficiente canção de sucesso, deve boa parte de seus inúmeros discos vencidos à novela Por Amor (1997). O canal "Viva" reprisou a novela e colocou "Palpite" como música de abertura, tão forte o seu reconhecimento.


A trilha sonora lhe rendeu anos de carreira. E como todo mundo pensa por associação de idéias, basta escutar "Palpite" , que o nome "Vanessa Rangel" vem logo em seguida. Nosso cérebro é repleto daquilo que chamamos de "Memória Afetiva", e temos facilidade de guardar as canções que estavam tocando num momento especial. E a associação de idéias funciona tão fortemente quando nos referimos às novelas, que é quase impossível escutarmos "Admiravel Gado Novo" sem lembrarmos da novela "O Rei do Gado" assim como é difícil escutar "Ando Meio Desligado " na versão da banda Pato Fu sem se lembrar de "O Anjo Caiu do Céu", e por aí vai.
E quando a trilha sonora se encaixa perfeitamente numa cena de novela? Anos podem se passar, mas basta tocar um acorde da música em questão, que nosso cérebro irá recordar perfeitamente da cena, do nome da personagem e da situação por ela vivida.


Na atual novela das 21h da Globo, "Império", uma mudança já estava prevista. O autor Aguinaldo Silva já havia dito que a trilha de abertura seria qualquer uma que não fosse da cantora Maria Rita, cuja voz esteve presente em outras novelas de sucesso do autor, inclusive "Senhora do Destino" que consagrou a cantora com "Encontros e Despedidas". Se a abertura fosse com a voz de Maria Rita, ele "cortaria os pulsos" (veja aqui).


De cara, "Império" ganhou um toque britânico com a abertura embalada por "Lucy In The Sky With Diamonds", dos Beatles , numa versão mais sutil de Dan Torres, mas mantendo o clima da sua versão original e seu belo arpejo. O cantor, que já participou ro reality global "Fama", conseguiu homenagear a banda britânica de uma forma singela e bela, sem grandes extravagâncias.

Como o próprio Dan disse há alguns dias durante uma entrevista: "Não dá pra melhorar Beatles"
Eu completaria: Quem quiser copiar ou imitar os Beatles já começa perdendo. As homenagens, sim, se fazem cada vez mais bem vindas e necessárias. Que nossas casas sejam sempre preenchidas por deliciosas trilhas sonoras.

***"Lucy in the Sky with Diamonds" é o título de uma canção composta e gravadas pelos Beatles em 1967, e faz parte do oitavo álbum da banda,  Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band.***


Diogo Branco é farofeiro e apaixonado por música.



17 jul/14

Black Carlos no Sesc

postado por Diogo Branco

A Banda Black Carlos, formada por Toni Garrido, George Israel e Felipe Cambraia se apresenta hoje no Sesc.
Com a proposta de homenagear a fase black music de dois grandes ídolos da música nacional (ambos com sobrenome "Carlos"), a banda não irá apenas apresentar um show com músicas de Roberto e Erasmo, mas sim novas roupagens que garantem um espetáculo inédito.

No repertório, destaques como "Quando", "As curvas da estrada de Santos" e "Todos estão surdos" cumprem a missão de se fazer uma bela homenagem à música nacional, apresentando como resultado uma sonoridade funky-rock-psicodelic.
Imperdível!



SERVIÇO:

Show Black Carlos
Dia 17/07 - quinta
Local: Galpão de Eventos do Sesc - Ribeirão Preto
Horário: 20h30

Classificação: 16 anos
Ingressos:
R$ 10 (inteira)
R$ 5 (usuários, matriculados, estudantes e idosos)
R$ 2 (trabalhador no comércio e serviços matriculados)

Sesc Ribeirão Preto
Rua Tibiriça, 50, Centro
Central de Atendimento:
(16) 3977-4472

09 jul/14

Farofa Cultural - 6 meses de existência

postado por Diogo Branco

Em Julho, o Farofa Cultural celebra seus seis meses de existência.
Que tal relembrar um pouco do que aconteceu nesse período?

05 jul/14

Udar - Poesia

postado por Diogo Branco

Os poemas cavalgam indomáveis pelos campos
do corpo-alma noite e dia, dia e noite, noite e dia
Sem rédeas, nem selas, nem doma
Apenas bravos e gentis cavaleiros a pedir passagem
Udar

05 jul/14

Tarsila do Amaral

postado por Diogo Branco

Nascida numa família de ricos fazendeiros pailistas, Tarsila estudou pintura com os mestres Albert Gleizes e Fernand Leger, na Europa. Mesmo fora do Brasil, integrou o grupo que lançou as bases da Semana da Arte Moderna de 1922. 


Casada com o poeta Oswald de Andrade, presenteou-o com a tela Abaporu. Impressionado com a figura do gigante marrom, ele escreveu o Manifesto Antropófago, cujo objetivo era absorver a cultura europeia e transformá-la em algo brasileiro.
Suas obras mais marcantes são as que representam temas nacionais, como a da negra de seios grandes e a "Carnaval em Madureira", abaixo.

A partir da década de 30, produziu quadros com temas sociais, tais como Operários, um mosaico de rostos alongados.



Acima, Abaporu, a tela dada de presente ao seu marido, o poeta Oswald de Andrade, com quem aparece na foto abaixo.

A vida amorosa de Tarsila sempre esteve em pauta, principalmente por estar sempre envolvida em escândalos.
Em 1930, um choque para a sociedade conservadora de então:Oswald separa-se de Tarsila e casa-se com Pagu, 20 anos mais jovem. Especula-se que eles já tinham um relacionamento mesmo enquanto ele era casado.
Abaixo, Owsald e Pagu.
 

Fontes:
Site: www.biography.com
Livro: "501 Grandes Artistas"

03 jul/14

Tudo se copia!!!

postado por Diogo Branco

Que hoje em dia a originalidade está extinta, todo mundo sabe.
Sempre achei legal pensar de uma forma diferente, ter opiniões próprias e tentar construir uma singularidade na forma de ser ou agir. Porém, a moda é estar na moda. A moda de toda mulher é ter o cabelo da famosa da novela. E copiam tudo, bolsa, sapato, unhas, pulseira, tudo. Inclusive a atitude. No mundo da música, os plágios existem há muito tempo. Desde o surgimento dos Beatles, por exemplo, inúmeros plágios foram associados ao grupo britânico. Afinal, difícil é ter originalidade à altura deles.
Destaque do noticiário musical da semana, Katy Perry figura com uma suspeita de ter plagiado música "Dark House". O rapper Flame abriu na última terça-feira uma ação judicial, onde afirma que Katy copiou "Joyful noise", famosa canção de louvor do artista, usando batida e melodia iguais.
Apesar das duas músicas não serem atuais, o rapper só foi avisado da semelhança este ano, quando soube que as comparações entre as duas músicas já "percorriam" diversos sites.

Aqui está a música de Katy, "Dark House"

E aqui está a possível música plagiada, "Joyful Noise"

O rapper acusa no processo contra a cantora que houve violação de direito autoral, ao utilizar sua composição sem permissão, e chegou a juntar as duas canções para evidenciar as semelhanças.
Ok, até o Roberto Carlos, considerado um dos maiores compositores do nosso país, ao lado de Erasmo, já teve que desembolsar R$5 milhões por ter plagiado uma canção ( veja aqui http://migre.me/kfIqm ). Por que diabos um cantor já tão prestigiado no país, com canções próprias regravadas o tempo todo, se interessaria em produzir uma música de outra autoria, como um plágio? Faria diferença em sua carreira ou em seu bolso? Não.
O fato é que, tanto para Katy quanto para Roberto, a grana envolvida não pesa ao bolso e nem se compara aos milhões que a canção plagiada pode lhes render. Vale mais a pena copiar do que gastar tempo compondo e elaborando uma melodia única e genial. Cansa menos.
Durante minhas pesquisas para elaborar este post sobre os famosos plágios musicais, escutei dezenas de supostos plágios e suas canções inspiradoras, porém discordei da maioria. Acho possível duas pessoas terem a mesma idéia, e criarem coisas parecidas, inclusive no mundo musical. Quantas vezes , durante um ensaio, um músico faz um som qualquer (e criado ali, naquela hora) e nos remetemos a alguma canção já famosa? Hoje ao escutar dezenas de "canções totalmente inspiradas em outras", notei também que existem os "plagiadores-mor", aqueles que se repetem e estão frequentemente associados aos casos de plágio. E Katy estava lá, desta vez com sua canção "Roar", estranhamente muito parecida com "Brave" de Sara Bereilles. 


Acima, "Roar" de Katy Perry, suspeita de plágio da canção "Brave", de Sara Bereilles, abaixo.

Dentre as formas de violação de direitos autorais, o plágio - cópia parcial ou integral da obra alheia com o intuito de roubar-lhe a autoria - pode ser apontado como o mais comum. Além de prejudicar economicamente o autor, fere também os seus direitos fundamentais, afinal a obra intelectual é como uma extensão da personalidade do autor.
Nada se cria, tudo se copia.


Diogo Branco é músico e farofeiro.

02 jul/14

Augusta Street Bar - Inauguração

postado por Diogo Branco

Para alegria dos roqueiros de Ribeirão Preto, uma nova opção de lazer foi inaugurada na última semana: O Augusta Street Bar.
O bar une excelentes atrações musicais a um atendimento de primeira, além de oferecer no cardápio deliciosas opções de petiscos e bebidas.
O Farofa Cultural esteve na inauguração do Augusta Street Bar na última quarta (25), e você acompanha abaixo maiores detalhes:


A show da noite ficou por conta de Max Greggio e sua banda.






O Dj e tatuador Guilherme Paschoalick acompanhado de sua namorada, Nat Sigi.


As amigas Lilian Andrade e Marlan Reis com a escritora Juliana Sfair.

Diogo Branco
O apresentador Kiko Magrini e o farofeiro Diogo Branco.

A casa funcionará de quarta à domingo, e traz como diferencial o horário de funcionamento, das 18h00 em diante, para felicidade daqueles que gostam de se reunir depois de um dia de trabalho. O nome é uma referência à badalada rua Augusta, em São Paulo, repleta de bares que agradam a todos os gostos e paladares.
Let's rock !!!




Carol Piscitelli e o cerimonialista Ed Mendes.


SERVIÇO:
Endereço: Avenida Independência, 1279
Horário de funcionamento: de quarta à domingo, das18h00 em diante.