Espetáculo "Se não for pra me fazer voar bem alto, nem tire meus pés do chão" apresenta, através da música popular brasileira, um panorama das relações entre homem e mulher. Apresentações acontecem 25, 26 e 27 de agosto, no Teatro Santarosa de Ribeirão Preto.



Coro Cênico Bossa Nossa realiza o espetáculo “Se não for para me fazer voar bem alto nem tire meus pés do chão” nos próximos dias 25 (sexta), 26 (sábado) e 27 (domingo) de agosto, no Teatro Santarosa de Ribeirão Preto, com novas cenas e músicas. Com duração de 1h10, a produção apresenta, através da música popular brasileira, um panorama das relações entre homem e mulher, especificamente no campo afetivo.
 
Segundo Magno Bucci, diretor cênico do Bossa Nossa, durante uma pesquisa que durou mais de três anos, o grupo buscou cantar o homem e a mulher em algumas situações de amor e desamor, inclusive abrangendo as novas relações humanas não convencionais. “A escolha do tema passa por crivos de toda a ordem para assegurar a difusão do trabalho e também a qualidade e excelência do produto artístico musical”, explica. Participam deste espetáculo sete cantores e cantoras, todos caracterizados com figurinos especiais, que interpretam músicas de grandes nomes da MPB, como Chico Buarque, Itamar Assumpção, João Bosco e Aldir Blanc, Pedro Luís e Carlos Rennó, Lupicínio Rodrigues, Lenine, Francisco Alves e Nilton Barros, Dolores Duran e até Mamonas Assassinas.
 
A escolha do repertório também foi pensada cuidadosamente, segundo Magno Bucci, para reunir compositores que tiveram a sensibilidade em retratar a relação afetiva do ser humano com poesia, transformando assim, muitas vezes, a dor da separação ou da perda em canto. Em outros momentos, o humor também é usado para retratar essas situações. “É essa relação e seus desdobramentos entre eles que interessa apresentar artisticamente. Cantando a relação em vários tons, em vários momentos, em diferentes situações”, explica Bucci.


 
Proposta
A proposta do espetáculo, segundo Magno Bucci, não é contar uma história  de sonhos, linear e romanceada, em que o homem e mulher se conhecem, namoram, casam e, pouco tempo depois, pequenas brigas geradas pela convivência se instala. “E depois navegarem por um “mar de rosas em uma alternância que umas vezes torna-se perene, outras vezes se rompe – drástica, serenamente ou ressentida”, destaca. Bucci explica que, os encontros e desencontros, em qualquer fase da relação, são frequentes: as voltas e reviravoltas são diárias, risos e choros cotidianos, amor e desamor que se renovam a cada dia. “Portanto, do ponto de vista da Bossa, para efeito de sequenciar as canções, o espetáculo pode ter qualquer começo, qualquer meio, qualquer fim”, acrescenta. É desta forma, que o espetáculo é estruturado: em blocos independentes que podem ser apresentados em sequências diversas e autônomas. O “primeiro” bloco, por exemplo, tem início com o coro “discutindo” fora de cena, que mostra a discussão entre homens e mulheres. O coro entra em cena posiciona-se e começa cantar Luzia, de Itamar Assumpção; na sequência dessa ação “litigiosa”, o coro canta Valsa Brasileira , de Chico Buarque, que é oposta a primeira canção: uma ode autêntica. Em seguida, canta-se Fogo e Gasolina, de Pedro Luís e Carlos Rennó (o título da canção retrata bem a relação: atração).


Agenda
25/08 (sexta-feira) – 20h30
26/08 (sábado) – 20h
127/08 (domingo) – 18h


Serviço
Local: Teatro Santarosa
Praça Rotary Club, 325 - City Ribeirão - Ribeirão Preto/SP
Telefones: 3916.1350 / 3916.2317
Valores ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia) / R$ 15,00 (antecipado)
Pontos de vendas: Teatro Santarosa  e Cineclube Cauim (Rua São Sebastião, 920 – Centro) - Ribeirão Preto/SP - Telefone: (16) 3443.1544