23 jan/14

Do verbo OUSAR

postado por Diogo Branco

Eu sou uma mistura e tenho orgulho disso. Fujo de rótulos e regras.
Sempre fui assim, e aí de quem tentar moldar meu jeito feliz de ser.
Porque eu não sou de levar desaforo pra casa, eu peito mesmo e quero sempre a personagem principal.
Sou assim: cheia de personalidade. Sou sensível até não caber mais em mim.
Defendo a seguinte teoria: tem lugar pra todos. Eu só não sei se todos tem coragem de colocar a cara a tapa, de sair do casulo. Aí, meu bem já não é comigo, é contigo.
Olha, eu estou realizada demais. Sim, me deu um certo medo de me lançar como entrevistadora. Mas agora está tudo tranquilo, o aprendizado é constante para quem se entrega.
Para quem fica escondido esperando uma falha, eu digo: o tempo não perdoa quem não faz o que tem vontade por medo da opinião dos outros.
Aqui no meu quarto tem de tudo: de música sertaneja a jazz. Filmes de comédia até documentários dos cineastas mais consagrados do cinema Europeu. E tem muitos Deuses e Deusas que me protegem.
Livros de mulherzinha até Schopenhauer.
Ah, e tem o MEU livro de crônicas “ Adorável Pecadora “, fruto do meu dinheiro, da minha incansável ousadia.
Quando vou ao Shopping, fico a maior parte do tempo nas livrarias e nos cafés. Depois cinema. Aí já viu, né ? Gastei tudo com livros, café expresso e a sétima arte.
Um dia eu vou ficar rica, e comprar uma casa com um jardim enorme e todos as noites conversarei com as estrelas sentindo cheirinho da minha arruda.
E é claro que no teto do meu quarto, não faltará estrelas e na parede um quadro bem grande da Marilyn Monroe que eu ganhei da minha amiga.
Eu gosto de futebol também, canto o hino do meu time. Mas sem fanatismo, na medida certa. Respeitar o outro é uma atitude nobre ( poucos possuem ).
Não existe uma receita exata para a vida, o que existe é uma vontade imensa; e uma coragem que cresce mais do que fermento em pão.


 Juliana Sfair
Atriz e escritora.